segunda-feira, 17 de março de 2014

Risoto de linguiça calabresa com couve

Eu tenho costume, e adoro(!), receber as pessoas em casa. Sempre que posso, convido amigos para jantares e procuro fazer cardápios variados, pois aproveito e testo receitas novas para colocar aqui :). Um dos pratos que faz mais sucesso lá em casa é o risoto. Seja de abobrinha para servir como acompanhamento de uma carne ou um risoto mais elaborado, como o que vou passar aqui para vocês, posso garantir que agrada a todos os paladares.

Para ajudar, risoto é um prato fácil de fazer e que fica pronto em pouco mais de 30 minutos (considerando que os ingredientes a serem acrescentados no risoto já estão prontos). Uma mão na roda para quem trabalha o dia todo e ainda quer fazer um jantarzinho especial!

Mas antes, você sabe qual tipo de arroz usar? A resposta para essa pergunta vai depender do resultado que você quer atingir. No Brasil, encontramos facilmente nos mercados 3 tipos de arroz para Risotos: o Arbório, o Carnaroli e o Vialone Nano. A diferença entre eles é o tamanho dos grãos, o tempo de cocção e a quantidade de amido (responsável pela cremosidade do risoto): (Fonte: http://sergionavegastronomia.wordpress.com e http://culinaria.terra.com.br/ )

- Arroz Arbório: é o tipo mais comum e o mais conhecido entre os brasileiros. Tem os grãos mais longos e, dentre os três tipos, é o que contém menos amido. Por ser um arroz de grão longo, atinge mais rápido o ponto de cocção, aproximadamente em 15 min.

- Arroz Carnaroli: tem o grão relativamente médio e é mais fino do que o arbóreo. Tem grande quantidade de amido, o que é excelente para o risoto. As características do grão o permitem absorver facilmente o sabor dos vários ingredientes adicionados ao prato.  Costuma atingir o ponto de cocção em torno de 18 minutos.

- Arroz Vialone Nano: das 3 categorias, é a que tem o grão mais curto (cerca de 3,5 mm). Possui formato arredondado e contém maior quantidade de amido, resultando em um risoto altamente cremoso. Ao mesmo tempo, o interior do grão se mantém intacto durante o cozimento, garantindo um risoto al dente.  O tempo de cocção dele é o mais longo, em média 20 min. Se o seu paladar optar por um risoto mais cremoso, sem dúvida nenhuma esta é a sua escolha.

Particularmente, a minha ordem de preferência é: Vialone nano, Carnaroli e Arbório. Tanto o Vialone nano quanto o Carnaroli são ótimos porque eles se mantém intactos durante o cozimento e garantem um risoto bem cremoso. Já o Arbório, a chance do risoto desandar é grande porque o grão não se mantém totalmente inteiro durante o cozimento, além de ele ter a menor quantidade de amido dos três.

Com relação à marca do arroz, eu tenho usado muito a De Cecco e a Colavita, mas sei que existem outras marcas ótimas como a Tio João.

INGREDIENTES
1 cebola média picada (gosto bastante de cebola roxa)
1 dente de alho
200 gr. de arroz para risoto da sua preferência (eu usei o arroz Carnaroli)
1 cálice de vinho branco seco (mais ou menos 80 ml)
700 ml de caldo de legumes (a quantidade vai variar um pouco dependendo do arroz que escolher)
2 col  de sopa de manteiga gelada cortada em cubinhos
30g de parmesão ralado fino
2 linguiças calabresas
2 folhas de couve cortadas em tiras finas (eu compro na minha quitanda de confiança aquela que já é higienizada e cortadinha, mas não confio na higienização de todos os lugares não)

MODO DE FAZER
Corte a linguiça em rodelas e depois em 4, elas ficarão em formato de pedaço de pizza. Reserve. Corte a cebola bem picadinha e reserve também. Lave a couve e solte as tiras para não embolar na hora de colocar no risoto.

Em uma frigideira antiaderente e de fundo largo, frite em fogo médio as linguiças até ficarem douradas e soltarem um pouco da gordura na frigideira. Então, retire as linguiças e coloque-as em um recipiente coberto com papel absorvente para ficarem bem sequinhas.
*Não descarte a gordura que ficou na panela, ela será utilizada para fritar os outros ingredientes*
Na mesma panela e em fogo médio, esprema o dente de alho e frite-o até ficar dourado (caso a gordura da linguiça não seja suficiente para fritar os ingredientes, acrescente um fio de azeite); adicione a cebola e deixe suar até ficar translucida. 


Nesse momento, adicione o arroz e frite-o por uns 3 minutos. Em seguida, coloque o vinho branco e deixe evaporar, mexendo um pouco. *O álcool do vinho irá evaporar e restará somente o sabor!*
Caso deseje, tempere com pimenta do reino e noz moscada AG. O sal, iremos colocar, se necessário, no final porque o caldo e o queijo parmesão já são salgados e, em muitos casos, são suficientes.








Assim que o vinho evaporar completamente, coloque 2 conchas do caldo e deixe ferver, mexendo de vez em quando para garantir que o arroz está cozinhando uniformemente.
  Ao absorver grande parte do caldo, adicione outra concha. 
 Repita esse passo até que o arroz esteja al dente, ou seja, macio por fora e firme no centro.
 *O truque do risoto é o ponto do arroz. Você tem que garantir que ele estará al dente e cremoso. Isso que dizer que ele ficará molhadinho no fundo da panela, mas só o suficiente para dar cremosidade ao risoto.*


Nesse ponto, acrescente as linguiças e mexa até que elas se distribuam; desligue o fogo. Acrescente a manteiga gelada cortada em cubos e o queijo parmesão e mexa até total incorporação. Prove para ajustar o sal, coloque a couve picada e sirva imediatamente.  

Neste da foto, eu coloquei tomatinhos cereja também!
Dá um toque gostoso!

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Dicionário da cozinha

Outro dia estava conversando com um amigo e ele me colocou uma dificuldade muito importante: os termos culinários são bastante específicos e, para muitas pessoas, não significam nada! É muito fácil explicar uma receita de bolo para quem sabe o que "untar" significa, mas que não sabe tá na roça. 

Pensando nestas pessoas que estão iniciando suas atividades gastronômicas, eu resolvi criar um pequeno dicionário dos termos e de seus significados.  





Não encontrou o termo que está procurando? Me manda que eu acrescento!

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Le Pain Quotidien

Hoje quero falar para vocês de um restaurante/padaria fantástico e recentemente inaugurado no Brasil: o Le Pain Quotidien.
Inicialmente, eu conheci este lugar na Europa e logo me apaixonei. Também, com a qualidade e variedade dos produtos e com o atendimento impecável, quem não se apaixonaria?!
A história deste estabelecimento iniciou-se com Alain Coumont, seu fundador. Ele aprendeu sobre pães na sua infância quando, todo domingo, assistia sua avô assar pães de pé em uma cadeira. Trabalhando como chef em Bruxelas, Alain não encontrava o pão ideal para seu restaurante. Apaixonado pela qualidade, ele voltou às suas raízes e abriu uma pequena padaria, onde ele poderia transformar farinha, sal e água nos pães rústicos de sua infância.
Ele chamou sua padaria de Le Pain Quotidien, tendo a primeira unidade inaugurada em Bruxelas, Bélgica em 26 de Outubro de 1990. Atualmente, a rede possui 185 unidades espalhadas por 17 países, incluindo a Bélgica, Reino Unido, França, Índia, México, Turquia, Estados Unidos e Brasil.
Como filosofia de negócios, ele instituiu a utilização de ingredientes orgânicos, sustentáveis e com alto padrão de qualidade, procurando firmar parcerias duradouras e significativas com agricultores orgânicos locais. Nesta onda sustentável, os restaurantes são construídos com madeira recuperada e gesso reciclado, lâmpadas de energia eficiente, produtos de limpeza e embalagens ecológicos. Segundo eles, “isto é bom para nossos corpos, nossas comunidades e nossa terra”. Mais que certo, né gente?!
 A unidade que eu sempre visito é a de Jundiaí, perto de Sorocaba, mas sei que eles têm vários endereços em São Paulo (para nossa sorte!).

Além das sopas e pratos do dia, que são deliciosos, eles têm ótimas opções para o almoço ou mesmo para um brunch no final de semana.

Na minha última visita, eu e minha mãe pedimos duas omeletes, um de Cogumelos e Queijo Emmental e o outra de Presunto Cru e Tomate. As duas eram DIVINAS, juro! A consistência e os ingredientes de primeira qualidade tornaram as omeletes um verdadeiro fenômeno. Elas são servidas com uma saladinha e duas fatias de pães artesanais: uma de baguete e outra de pão integral. Os pães são uma delícia e super combinam com a omelete.
Para acompanhar, provamos as novidades de verão: os sucos com água de coco. Eu escolhi o de maracujá e a minha mãe o de uva roxa. O primeiro acabou sendo uma decepção porque não tinha gosto nenhum de água de coco. Pelo maracujá ser muito forte, se sobressaiu e virou um suco normal. 
Já o suco com uva roxa é refrescante e original. Vale à pena!
Mais gulosa impossível, eu comi só metade da omelete para poder saborear uma das sobremesas do cardápio... sou formiga! A sobremesa escolhida foi o Waffle de Liège. Segundo a história, este waffle foi criado no século XVIII pelo cozinheiro do príncipe da cidade de Liège, Bélgica. Em busca de uma nova sobremesa para o príncipe, ele resolveu adicionar pérolas de açúcar e baunilha a uma massa de pão. Maravilhado pelo aroma que se espalhou pelo castelo, esta sobremesa tornou-se a favorita do nobre príncipe.


A sobremesa é servida com frutas vermelhas e calda quente de chocolate! O waffle é diferente daquele americano que estamos acostumados, a massa é um pouco mais esponjosa e você consegue sentir as pérolas de açúcar (que não se derretem durante a cocção) se dissolvendo numa explosão de sabores. Um ESPETÁCULO.
Além dos pratos servidos na loja e dos pães, eles têm uma estante de produtos artesanais, como geleias e pastas de avelã. São imperdíveis.
Alguém quer abrir uma unidade em Sorocaba, por favor?!!
 
Le Pain Quotidien – Unidade Jundiaí
Jundiaí Shopping
Avenida 9 de Julho, sem número - CEP: 13208 - 056  - Piso 9 de Julho
Jundiaí - São Paulo
Tel: (11) 4526-2024
Funcionamento: Seg á Sex das 8h00 as 22h00 / Sab das 8h00 as 23h00 / Domingo 9h00 as 22h00

Le Pain Quotidien  - Unidade Itaim
Rua Pais de Araujo, 178 - Itaim BIbi - CEP: 04531-090
Tel: 11 3078 0383
Funcionamento: Seg a Sab das 07h00 as 21h00 / Dom das 08h00 as 21h00